Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Carta aberta aos arrogantes intelectuais, por Ricardo Lopes

 

 

Carta aberta aos arrogantes intelectuais

 

RICARDO MINI copy  SOCIEDADE 

 

Meus queridos, meus chuchus, meus Eusebiozinhos, meus Narcisos, meus profissionais dos chiliques, meus vanguardistas oráculos do Quinto Império, meus arrogantes intelectuais, tenho alguns factos para suas altíssimas excelências.


As artes não estão em declínio, em termos de haver cada vez menos pessoas a visitar museus, ler livros, ir ao teatro e ao cinema, etc. Não, minhas cavalgaduras de cuja dureza de cabeça nem a tão grande erudição da qual se gabam a cada expiração as livra, há, isso sim, cada vez mais pessoas a prestar atenção às mais diversas formas de arte.


Particularmente, no que se refere à leitura, cada vez se leem mais livros, as tiragens são maiores, o número total de livros impressos por ano ao redor do mundo é exponencialmente superior ao que era há 100 anos atrás, para não falar do tempo depois de o Gutenberg se ter esfalfado para criar a máquina que agora permite a muitos de vós serem mantidos como burro a pão-de-ló. E falo em serem mantidos como burro a pão-de-ló, porque muitos de vós pretendem fazer vida de ficar com a peida alapada o dia inteiro em algo almofadado – e nada, da minha parte, contra pessoas que pretendem fazer vida de ficar com a peida alapada o dia inteiro em algo almofadado; várias as houve, e há muito que agradecer-lhes o sacrifício da aptidão física -, sem esperar sequer ter o trabalho de produzir algo que agrade aos desgraçados que querem que gostem do que produzem à força. Porquê? Porque os meninos têm de viver disso, está claro. Como bons juízes em causa própria, reconhecem a si próprios o incomensurável valor das vossas produções literárias e, portanto, é um sacrilégio do maior grau que não vendam o que precisam de vender. Mas não, não se leem menos livros, e ninguém tem culpa de não gostar dos vossos.


E, um aparte, ninguém é mais ou menos burro por não gostar de ler. Ler não é algo natural. Falar, sim. Ler, não. Antes da prensa, virtualmente ninguém lia, porque também não havia livros produzidos em massa. E olhem que não foi por isso que faltou inteligência humana para construir as grandes civilizações que, com o tempo, progrediram ao ponto de permitir que imbecis tivessem acesso a uma máquina de pequenas dimensões com capacidades praticamente ilimitadas de acesso a conhecimento e a usassem, antes, para debitar verborreia na internet.

 


Outra coisa, a língua portuguesa, ou qualquer outra que seja, não vai acabar nem ficar adulterada pelo facto de os seus utilizadores começarem a incluir nela progressivamente mais estrangeirismos. Não existem línguas puras, meus vitorianos disfarçados, a não ser que pretendam voltar ao Proto-Indo-Europeu. E, mesmo essa língua provavelmente resultou de milhares de anos de línguas que apenas existiam na sua forma falada em interação umas com as outras. Portanto, o caso está negro. As palavras são símbolos, meus bebés de berço, e a língua é uma ferramenta para veicular informação. Se, com o tempo, se passasse a escrever oficialmente como faziam os adolescentes há 10 anos atrás nas SMS, não seria preciso soar as cornetas e mandar vir os anjos do apocalipse, meus hipersensivelzinhos. Não, desde que os nossos símbolos ou palavra fossem eficazes para transmitir a informação pretendida, então o mundo não acabaria para ninguém, nem a civilização humana ruiria com toda a sua cultura. 


Agora, particularmente para os meninos e meninas das pós-modernices. Meus amigos, e amigas, o que vocês fazem e apreciam tem um nome…e parece-me que é MERDA. Lamento ofender as vossas requintadas mentes, mas tudo o que resulta do pós-modernismo, e agora vou referir-se particularmente às artes, é lixo. Está provado que a arte antiga é muito mais apreciada pelas pessoas do que a porra de um urinol virado ao contrário ou uma tela em branco com uma descrição. As pessoas gostam da arte que seguia técnicas com critérios bem definidos, da arte feita com rigor e gosto pelo rigor, da arte que pretende representar de forma mais distinta e elevada possível o belo. Por isso, é que sítios como Roma são os mais visitados do mundo. As pessoas gostam de ver os detalhes da arquitetura antiga; as pessoas gostam das lindíssimas pinturas clássicas, do Renascimento, do Iluminismo; as pessoas gostam de escultura clássica; as pessoas gostam de música clássica; as pessoas gostam de ficção que segue determinadas linhas narrativas. Por isso é que tudo isso, mesmo após séculos e milénios, e apreciado pela vasta maioria das pessoas, por isso é que continua a vender e a atrair a atenção das pessoas para galerias, exposições, salas de espetáculos, e assim será, muito provavelmente, enquanto existir ser humano. 


Por isso, meus grandes misantropos, antes de desatarem a passar atestados de incompetência intelectual à populaça, estudem mais um pouco, e talvez ainda consigam chegar à conclusão que, afinal de contas, sempre que decidiam espezinhar o que é popular, o que faltava, na verdade, era mais espelhos em vossa casa.

 

Ricardo Lopes

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas