Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Pensamentos Nómadas

Nomadic Thoughts - Pensées Nomades - Кочевые Мысли - الأفكار البدوية - 游牧理念

Terrorisme Daesh-kurdo-américain en Syrie (1/2), par Luís Garcia

 

  

Terrorisme Daesh-kurdo-américain en Syrie 1

 

Luís Garcia  POLITICA  en français 

  

Le siège et la destruction de Raqqa

L’histoire du Terrorisme Daesh-kurdo-américain se répète sans cesse. Si il y a quelques mois le lieu choisit fut Raqqa, cette fois c’est Deir-ez-Zor. Comme je l’ai expliqué dans des articles précédents (lire ici et ici), dans la banlieue de Raqqa occupées illégalement par l’OTAN et les forces kurdes étrangères (Forces Démocratiques Syriennes FDS), il n’y a pas eu d’avancée significative contre Daesh alors que l’Armée Arabe Syrienne (AAS) se trouvait loin de Raqqa. Une fois que l’AAS s’est trouvée près de Raqqa, les organisations terroristes SDF, OTAN et US Army ont brusquement assiégé la ville, non pas pour la conquérir dans l’immédiat, mais bien pour éviter que l’AAS ne la rejoigne et, une fois dans Raqqa, commencer la reconquête de cette ville syrienne (et non kurde ou gringa, ou OTANienne) jusqu’alors aux mains de Daesh. Pourtant, l’AAS, seule armée légitime pour agir au sein du pays, n’a abandonné son avancée vers Raqqa que lorsque les terroristes de la force aérienne américaine abattirent un avion de chasse syrien, le 18 juin de cette année, pendant que ce dernier attaquait les positions de Daesh. Les syriens soutenus par les russes auraient-ils dû réagir ? Oui, d’après le droit international. Pourraient-ils l’avoir fait ? Ils auraient pu, mais il en aurait résulté un conflit mondial. Donc, comme toujours, les « méchants » syriens et russes, face à l’invitation au déclenchement d’une guerre mondiale, ont capitulé et abandonné l’idée d’avancer vers Raqqa, malgré une injustice flagrante. Après, certains croient qu’en Syrie se déroule une « guerre civile », mais bon, les maladies de type psychologique ne sont pas le thème de cet article.

 

 

Toujours sur Raqqa, d’après l’organisation terroriste US Army elle-même (ceux qui ne le croient pas peuvent consulter le site  de cette organisation terroriste sur  www.centcom.mil/), plus de 800 civils ont été tués par les bombardements illégaux et criminels de l’OTAN dans cette ville. Presque 200.000 civils ont fui la ville à cause de ces bombardements et ils constituent une catastrophe humanitaire imminente. Raqqa, ville multi-ethnique comme toutes les villes syriennes, bien que 90% de ses habitants soient arabes, est aujourd’hui un gigantesque amoncellement de décombres provoqués par les rambos étatsuniens, anglais et français qui, en plus de ne pas respecter le droit international avec ces bombardements, le font de manière extrêmement violente, sans objectif stratégique comme minimiser le nombre de victimes ou minimiser la quantité de dommages. Non, au contraire, ils détruisent tout, tuent tout ce qui bouge et, en conséquence, presque tous les habitants ont fui. Selon les Etats-Unis (EUA) eux-mêmes, cette ville où vivaient une douzaine de kurdes avant la guerre, sera livrée aux mains des illégales forces kurdes armées illégalement par les EUA. L’objectif est simple et, malgré son caractère scandaleux, personne ne le cache. Les terroristes kurdes des FDS-OTAN prétendent faire de Raqqa leur capitale, habitée exclusivement par des kurdes. Félicitations à l’Occident, créateur et sponsor  de nettoyages ethniques et persécuteur et diaboliseurs  de l’Etat syrien multi-ethnique et multi-religieux ! Félicitations ! Assad et l’armée syrienne, quand ils organisent et reconquièrent leur pays autant que faire se peut en fonction de la minimisation du nombre de victimes et de la quantité de dégâts, et quand ils le documentent autant que faire se peut, et quand ils font des accords de paix en évitant l’option militaire, ils sont et seront pour la propagande occidentale les « massacreurs » qui lancent des « bombes barils » sur des petits enfants pour s’amuser. Les EUA, la France et le Royaume-Uni (RU), quoiqu’ils détruisent complètement, de manière absolument désorganisée, en détruisant tout et en tuant tout le monde, comme au Laos et au Vietnam dans les années 60, de la façon la plus barbare possible, ne sont pas la cible de critiques des humanistes-zombis occidentaux. Mais quelle dissonance cognitive généralisée !

 

21530879_0.jpg

(avant et après les attaques aériennes illégales de l'OTAN à Raqqa)

 

Donc, bravo aux médias occidentaux pour ne pas avoir notifié la totale destruction de Raqqa. Bravo pour ne pas avoir notifié la bien documentée  utilisation d’armes chimiques (phosphore blanc) par les EUA et leur alliés criminels sur Raqqa. Ah, ils sont trop occupés à raconter des histoires à dormir debout sur les attaques chimiques d’Assad qui n’ont jamais eu lieu, hein ? Quelle prostitution.

 

C’est impressionnant de constater que, malgré le fait que même les organes de propagande humanitaire occidentaux (HRW, Amnistie International) et l’ONU se plaignent de la barbarie commise par les EUA, l’Angleterre et la France à Raqqa, peu de médias de mainstream osent reporter cette barbarie, et aucun ne se montre clairement critique du comportement criminel et terroriste de ces 3 pays ! Mais pourquoi ? Ça paye bien la prostitution ? Bien-sûr !

 

Pour en revenir aux prostitués médias occidentaux, j’aimerais rappeler que ce furent ces mêmes médias qui ont qualifié la libération d’Alep (décembre 2016) de « destruction d’Alep », « fin d’Alep », « cimetière à ciel ouvert » et autres énormités du genre, et multipliaient par 1000 le nombre réel d’attaques aériennes russes et syriennes contre les « rebelles » terroristes « extrémistes » et, oui des militaires de l’OTAN qui ont fini par être capturés et arrêtés par l’armée syrienne. C’était l’hystérie totale, l’Occident devenait fou avec la « barbarie d’Assad » et le « massacre d’Alep », au point qu’un certain propagandiste extrémiste fondamentaliste portugais a écrit ceci:

 

 

Cet employé de la Radio Television Portugal a écrit un article intitulé « la mort d’Alep »

 

Mais la faute ne revient pas seulement aux  propagandistes de service corrompus et prostitués. Cette si grande différence de couverture médiatique entre Alep et Raqqa est surtout due à l’apathie de la population consommatrice aveugle de pseudo-information, endormie sur ses certitudes d’autorité fallacieuse sur le fait que les média soient ou non crédibles. C’est à cause de la mort cérébrale de cette population zombie qu’on peut facilement lui vendre la destruction d’Alep qui n’a pas eu lieu en décembre 2016, pour ensuite la convaincre d’ignorer complètement la destruction complète de Raqqa qui a lieu en ce moment. Pour tous ces zombies terrorisés par la logique et adorateur de post-modernisme simpliste comme cette ineptie « neutre » politisée de Civil March For Aleppo, Assad est un grand méchant, EUA/France/RU sont les pays du bien. On se passera donc de raisonnement logique, d’analyse séquentielle, de preuve, d’histoire et de tout le reste ! « Assad is bad, we are good ! Amen »

 

Dans la 2nde partie, plus importante, sera analysée la criminelle « Opération Der ez-Zor » des EUA et compagnie, qui a lieu en ce moment.

 

Luís Garcia, Minyara, Liban, 11.09.2017

(Traduit par Claire Fighiera)

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Terrorismo ISIS-curdo-americano na Síria (2/2), por Luís Garcia

   

Terrorismo ISIS-curdo-americano na Síria 2.jpg

 

Luís Garcia  POLITICA 

 

 

O cerco a Der-ez-Zor Norte

A história do terrorismo ISIS-curdo-americano repete-se sem cessar. Se há meses atrás o local escolhido foi Raqqa, desta vez é Der-ez-Zor. Olhe caro leitor para o mapa do conflito sírio e constate que os EUA este ano não mexeram uma palha sequer contra ISIS no triângulo de terra controlado por esta organização terrorista a norte do rio Eufrates. Porquê tal atitude vinda dos mesmo EUA que querem à força, e contra a lei internacional, criar um "Curdistão" sobre todo o território sírio a norte do rio Eufrates? Não será porque ISIS é super-útil na arte de matar soldados sírios e russos, na arte de reduzir o poder bélico sírio, na arte de espezinhar e violentar civis sírios nesse triângulo de terra? Ahhh, é isso e, portanto, até há poucos dias atrás, era útil aos EUA deixar o ISIS em paz. Só não entende quem não quer!

 

triangulo copy.jpg

Triângulo do ISIS a norte do Rio Eufrates, junto à fronteira com o Iraque onde também ainda se encontram forças do ISIS)

 

Tal como no caso de Raqqa, o norte-americano Cavalo de Tróia chamado ISIS dá imenso jeito na arte do caos que implementam os EUA na Síria, mas tem, como sempre, prazo de validade. Esse prazo de validade corresponde ao momento em que ocorrem importantes vitórias sírias contra o ISIS após as quais deixa de ser útil a presença de ISIS junto a triunfantes forças sírias e passa a ser preferível (para os EUA) apoderar-se do território em disputa antes que os sírios o façam. É por demais evidente este facto para quem, como eu, segue diariamente, sem excepção, os avanços de todas as forças presentes na Síria e que, em consequência, detecta padrões de comportamento inegáveis e com importantes repercussões.  

 

Depois de semanas de intensos confrontos no centro do país entre as Forças Armadas Sírias (SAA) e aliados de um lado, e ISIS do outro, foram realizadas enormes conquistas territoriais (de dezenas de milhares de km2) pelos primeiros, apesar da morte de muitas dezenas de soldados sírios e do Ezbolá, assim como de vários russos. Para melhor visualizar os avanços a que me refiro, consulte os mapas abaixo:

 

 

No dia 6 de Setembro, em consequência desses enormes avanços no centro da Síria, SAA e aliados conseguiram por fim quebrar o cerco que o ISIS impunha desde Janeiro de 2014 à cidade de Der-ez-Zor. Agora que as SAA e aliados alcançam a última grande cidade controlada pelo ISIS, os seus membros já quase não têm para onde fugir, e viram o seu poder militar ser reduzido drasticamente na frente sírio-ISIS depois da captura pelas SAA de enormes quantidades de armas e munições descobertas em túneis do ISIS a sul de Der-ez-Zor. 

 

100% ao corrente da situação, os EUA, como sempre, passou de adorável vizinho do ISIS com a sua inexplicável paz podre na fronteira entre SDF/NATO e ISIS, para um anúncio oficial, anteontem, do "início da operação Der-ez-zor". E voilá, eis a história de maquiavelismo oportunista criminoso norte-americano prestes a repetir-se. Atente-se no nome da operação que inclui o nome Der-ez-Zor! A que raio se referia ontem o porta-voz da criminosa coligação? Que EUA mascarados de SDF pretendem conquistar Der-ez-Zor? Mas como se 2/3 da cidade nunca saíram sequer de mãos sírias e, agora que acabou o cerco, o restante 1/3 será rápida e facilmente reconquistada por quem tem o direito e a legitimidade para o fazer: as SAA! Então os EUA e seus vassalos membros da NATO passam anos ali estacionados, a 65km de Der-ez-Zor, assistindo ao sofrimento de 100.000 sírios cercados em Der-ez-Zor sem nada fazer, e agora que o cerco militar acabou e que dezenas de camiões russos e sírios com comida e outros bens vão chegando à cidade, é que os EUA se sai com uma disparatada "Operação Der-ez-Zor"? Será piada de mau gosto? Mmm, não, infelizmente não é piada de mau gosto!

 

Os EUA têm trazido nos últimos meses quantidades absurdamente grandes de armamento norte-americano para dentro do território sírio controlado pelas SDF/NATO, armamento que poderia ter esmagado há muito, e em apenas 3 ou 4 dias, a totalidade das forças do ISIS a norte do rio Eufrates. Se nunca as utilizaram, e agora, em simultâneo com a chegada sofrida de sírios a Der-ez-Zor, avançam subitamente até aos arredores desta cidade, o alvo potencial de todo esse armamento é, como é óbvio, e como sempre tenho dito, o conjunto de forças sírias e suas aliadas, no dia em que se decidirem a reconquistar o território do norte da Síria ocupado pela NATO sob pretexto paranóico de criação de um estado curdo onde quase não há curdos!

 

E quanto ao ISIS seus tresloucados curdos, então, como é, passam a vida a anunciar o vosso ilegal estado curdo a norte do rio Eufrates... e nunca se decidiram em avançar e ocupar o que falta para o raio de projecto curdo? Medo de quê se têm mais poder militar (graças a EUA e NATO) que a própria Síria? As SAA limpam ISIS em todo o país, quer em aldeias, quer em cidades grandes onde é complicado eliminar o ISIS sem provocar muitas mortes de civis e destruição. E conseguem-no minimizando a destruição do país que é seu e a morte dos civis que os apoiam. Em contrapartida, os agressores e ladrões curdos, com um historial de boas vizinhanças com o ISIS, não conseguiram nunca limpar o rural triângulo do ISIS a norte do rio Eufrates? Porquê?, Porque não quiseram, tristes marionetas vendidas do imperialismo gringo que um dia irão por certo ser traídas pelo Império. É preciso ser cego, surdo, mudo, burro e ignorante para não saber que os EUA não têm aliados, apenas serventes temporários dos seus interesses! Irra mais à burrice curda!

 

Notícias sobre chegada de armamento gringo ao norte da Síria:

 

Recapitulando, anteontem (9 de Setembro) as FDS-NATO avisaram de forma oficial que iriam começar a sua ofensiva rumo a Der-ez-Zor, e ontem (10 de Setembro), primeiro dia dia da operação, em 12 horas apenas, avançaram uns impossíveis 55km contra o ISIS, ficando a apenas 10km de Der-ez-Zor. Como há mais de um ano que não avançavam um milímetro naquela zona (aliás, até recuaram um pouco), o avanço súbito, fácil e imparável mostra que, ou tinham tudo o necessário para o haver feito há muito tempo atrás e não o fizeram porque gostam de ver o ISIS (seu cavalo de Tróia) massacrando soldados sírios e escravizando civis, ou, ordenaram o seu cavalo de Tróia sair da frente e avançaram em total tranquilidade, ou as duas coisas. Prova é que, segundo o US Central Comand, as FDS-NATO, avançaram 55 km em meio dia sem perdas de homens ou equipamento, e quase sem combate. Quem segue de perto os muito organizados avanços, embora demorados e dolorosos, dos sírios e seus aliados contra ISIS, percebe bem que esta história de avanço súbito FDS-NATO está muito mal contada! Hoje então (11 de Setembro), as FDS-NATO deram-se inclusive ao luxo de alcançar a ponte principal sobre o rio Eufrates e, a meio dessa ponte que liga os campos a norte à cidade de Der-ez-Zor a sul, hastearam a bandeira das FDS! Viva a ingerência e a arrogância terrorista!

 

E assim seguem os EUA, como perfeitos abutres mal-intencionados, deixando sírios sofrer o maior período de tempo possível às mãos do ISIS. E divertem-se observando a morte de sírios, de palestinianos do Ezbolá  e de russos rumo a Der-ez-Zor, perdendo imenso equipamento e enfraquecendo pelo caminho. Divertidos de ver o trabalho duro feito pelos sírios, e cientes que muitos membros do ISIS foram mortos e uma grande parte do armamento capturado pelos sírios, os EUA avançam subitamente, como esperado, vergonhosos abutres, quiçá na tentativa criminosa e ilegal de roubar mais uma cidade aos sírios! E as ovelhas ocidentais não vêm nada, não tiram conclusão nenhuma, e não se informam de coisíssima nenhuma através dos seus media/mídia ocidentais criminosos e prostituídos.

 


Se se vier a confirmar a intenção curdo-gringa de conquista de Der-ez-Zor, haverá de novo perigo iminente de conflito entre Rússia/Síria e curdos/EUA/NATO em Der-ez-Zor, mais uma de muitas tentativas dos EUA para nos levar ao extermínio nuclear. A propósito, convido a ler:

 

A vontade descarada de provocar um desnecessário conflito é clara e óbvia por parte dos curdos, na sua maioria nem sequer sírios de nacionalidade mas sim turcos e iraquianos. Ocupam como abutres terra síria aproveitando a situação de debilidade em que se encontra este país que luta contra tudo e contra todos numa agressão internacional disfarçada de "guerra civil". Sempre tiveram participação nas forças armadas e no governo do país, e no início do conflito sírio receberam inclusive o controlo militar do norte do país, a bem, por decisão de al-Assad, de forma a poderem defender a Síria das agressões turcas nesta farsa de "guerra civil". Agora, com as costas quentes pelo infinito arsenal oferecido pelos EUA, armam-se em conquistadores desalmados ou, se preferir (e os curdos preferem), armam-se em Israel 2.0!

 

E não é só na Síria que se armam em bacocos conquistadores. Também o fazem no Iraque, onde daqui a uns dias os curdos realizarão um referendo de independência que, claro, não será aceite nem pela Síria, nem pelo o Irão, e muito menos pelo Iraque! Relembrando as palavras proferidas há dias por Hadi al-Ameri, líder de uma milícia xiita iraquiana, "Um referendo sobre a Independência do Curdistão poderá levar a um confronto armado", que por certo se expandirá para a Síria e consequentemente, poderá dar origem a um conflito global com EUA e Rússia liderando cada um dos campos!

Voltando uma última vez a Der-ez-Zor e ao triângulo ISIS a norte do Eufrates, os EUA, NATO e curdos vão fazendo afirmações do género das que se podem encontrar nestes artigos:

 

Para os mais cépticos, tenho aqui o comunicado da coligação ocidental terrorista sobre o tema:

1-140 (1).jpg

 

Há mais de 10 dias que os EUA têm vindo falando de uma absurda e ilegal "zona de exclusão aérea" a norte do Eufrates na qual abaterão todos e quaisquer aviões sírios ou de aliados sírios (russos também portanto) que ousem entrar onde por direito podem entrar.

 

Porque dizem o que dizem e avançam agora subitamente até às margens do rio Eufrates junto a Der-ez-Zor? Porque este avanço é também a tal "zona de exclusão aérea" pela força, caso não dê para realizar essa criminosa loucura. E mais, olhando para o mapa, os EUA não avançam em toda a frente FDS-ISIS como facilmente poderiam fazer, mas apenas pela autoestrada que liga o norte a Der-ez-Zor e por uma estrada principal paralela à primeira. O objectivo é claramente o de bloquear sírios e seus aliados e de não os deixar conquistar território a norte do rio contra o ISIS. De relembrar que só os sírios tem o direito de ocupar território sírio, e que os EUA/NATO/curdos se encontram ali de forma totalmente ilegal, em desrespeito dos mais elementares princípios do direito internacional, rindo-se de tudo e de todos. Riem-se não só dos russos que sempre dão passos atrás (apesar de lá estarem legalmente) de forma a evitar um conflito mundial, mas sobretudo da imensa ovelhada ocidental que ainda assim acha que os EUA são os bons libertadores e que Putin é a encarnação do demónio na terra! Meééééé!

 

Agence France-Presse troca-tintas

Hoje a agência noticiosa AFP informa que a força aérea russa realizou um ataque aéreo sobre o rio Eufrates perto de Der-ez-zor, contra barcos que o atravessavam. Mais, afirma que o ataque russo matou 30 civis, sem no entanto disponibilizar imagens ou vídeos que corroborem tão grave acusação e sem terem no local nenhum correspondente trabalhando para a AFP! Bravo!

 

Sabendo o que se passa neste momento a norte do rio Eufrates junto a Der-ez-Zor, nomeadamente a fuga de membros do ISIS que não oferecem nenhuma resistência contra os EUA e curdos, que espanto pode haver no aparecimento de membros do ISIS tentando passar para a margem sul do rio? E, enquanto não saem provas, não sabemos se eram membros do ISIS ou se eram civis! Ponto! Especulação manipuladora deste género é uma vergonha, um vergonhoso comportamento anti-informativo que infelizmente se banalizou sem que tenha surgido um massivo castigo por parte dos consumidores de toda esta vergonha. Isto sim são Fake News, e estas sim a ovelhada deixa passar sem lhe aplicar análise crítica!

 

Assim como é pena constatar que no Ocidente ninguém ache estranho que os trogloditas membros do ISIS não se rendam nunca às forças sírias, mesmo quando cercados em pequenos círculos como é exemplo o que agora se passa no centro da Síria. Semanas de cerco, cerco cada vez mais apertado, e não, não se rendem, continuam realizando ataques suicidas usando civis forçados a fazê-lo, e combaterão, como sempre, de forma inútil e suicida, até à queda do seu último membro!

 

centro.jpg

 

O mesmo ISIS face aos EUA/curdos, foge sem combater e larga de mão beijada mais de 50km de autoestrada em meio dia, para que os seus supostos inimigos gringos se passeiem triunfantes rumo a Der-ez-Zor! E o burro sou eu?

 

Só para enterrar um pouco mais a AFP e outros aldrabões ocidentais, eis a lista dos ataques norte-americanos nos últimos tempos na mesma região e que, apesar de ter sido executados sem quaisquer razões lógico-estratégicas e de terem provocado muitas dezenas de mortes de civis sírios, nunca foram noticiados pela  AFP e sua prostituida companhia ocidental! 

  • a lista será feita amanhã, se a ligação de internet melhorar, e então actualizarei esta parte do artigo com os prometidos links

 

Nem de propósito hoje, em Der-ez-Zor Sul, totalmente controlada pelas forças sírias e aliados, os EUA realizaram um ataque aéreo contra forças sírias. E este, também não é noticiável? Porque será? Irra!

 

2 importantes vídeos do South Front sobre o tema

 

 

  

Ataque israelita no norte da Síria

Foi tema do artigo "A guerra civil síria" dos ataques aéreos israelitas, escrito há dias, o ilegal e criminoso ataque aéreo sionista contra instalções científicas do estado soberano sírio a partir do espaço aéreo libanês. A forma de agir mostra bem a cobardia do estado israelita que passava a vida destruindo o Líbano e que sabem, portanto, que as forças armadas deste país, a contragosto, não reagem a violações sionistas do espaço aéreo libanês.

 

Ontem, ainda assim, e de forma inútil, o governo libanês aprensetou queixa forma contra israel aproposito do sucedido. Antoninho Guterrinho, essa lesma prostítuida, para variar, assobiará para o lado!

 

A Síria, hoje, perante a compreensível passividade libanesa, e a vergonhosa passividade da ONU, passou das ameaças à acção, e fê-lo bem. Ao contrário do que se passou há dias com o ataque terrorista da força aérea terrorista israelita que destruiu a tal instalção ciéntifica, hoje, perante a preparação de um novo e cobarde ataque sionista a partir do espaço aéreo libanês, a Síria disparou um míssil do seu sistema S-200 contra o caça israelita! E fê-lo com o caça israelita em espaço aéreo libanês! Bravo! Se Israel quiser continuar a bombardear ilegalmente a Síria, independentemente do espaço aéreo em que se encontra, vai ter de se preparar para ver os seus caças correrem o risco de serem abatidos! Não temos pena!

 

11 de Setembro

Ah, hoje é dia 11 de Setembro, data inesquecivel, pois claro, quem poderia se esquecer daquilo que se passou neste dia no Chile, já lá vão 44 anos! Quem se poderia esquecer dos caças norte-americanos que de forma criminosa bombardearam o palácio presidencial chileno e mataram Salvador Allende, o presidente socialista e democraticamente eleito desse país! Quem se poderia esquecer dos anos de terror que vieram de seguida, pelas mãos da marioneta gringo-inglesa escolhida para o bárbaro efeito, o senhor Pinochet!

 

Ah, e hoje é dia de desejar os parabéns ao Presidente da República Árabe Síria, o senhor Bashar al-Assad!

maxresdefault.jpg

 Feliz Aniversário, ahahahah! 

 

Não, do nova-iorquino 911 desculpem-me mas não quero ouvir falar. Deste que Laurent fabius disse que al-Qaeda "faz um bom trabalho contra Assad na Síria", e que por várias vezes dei com governantes norte-americanos proferindo o mesmo tipo de barbaridades, não quero de todo saber sobre o suposto ataque às torres gémeas realizado supostamente por essa mesma... al-Qaeda, que serve de desculpa para todas as agressões militares terroristas dos EUA e servis aliados europeus por esse mundo fora! Irra mais a estupidez humana que leva tantos milhões a não perceber a tremenda incoerência ocidental contida neste parágrafo!

 

Leia também Terrorismo ISIS-curdo-americano na Síria (1/2)

 

Luís Garcia, Minyara, Líbano, 11.09.2017

 

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Terrorismo ISIS-curdo-americano na Síria (1/2), por Luís Garcia

   

Terrorismo ISIS-curdo-americano na Síria 1

 

Luís Garcia  POLITICA 

O cerco e destruição de Raqqa

A história do terrorismo ISIS-curdo-americano repete-se sem cessar. Se há meses atrás o local escolhido foi Raqqa, desta vez é Der-ez-Zor. Como expliquei em anteriores artigos (ler aqui e aqui), nos arredores de Raqqa ocupados ilegalmente pela NATO e forças curdas estrangeiras (Forças Democráticas Sírias, FDS), não houve avanços significativos contra o ISIS enquanto as Forças Armadas da Síria (SAA) se encontravam longe de Raqqa. Uma vez próximas as SAA de Raqqa, as organizações terroristas SDF, NATO e US Army realizaram um cerco súbito a esta cidade, não para conquistá-la no imediato, mas sim para evitar que as SAA a alcançassem e, uma vez dentro de Raqqa, dessem início à reconquista dessa cidade síria (e não curda ou gringa ou NATOniana) até então nas mãos do ISIS. Ainda assim, as SAA, únicas forças com legitimidade para actuar dentro do país, só desistiram de avançar rumo a Raqqa quando a terrorista força aérea norte-americana abateu um caça sírio, no dia 18 de Junho deste ano, enquanto este atacava posições do ISIS. Deveriam os sírios apoiados pelos russos ter reagido? Sim, segundo a Lei Internacional. Poderiam tê-lo feito? Poderiam, mas o resultado seria um conflito global. Portanto, como sempre, os "maus" sírios e russos, perante um convite dos "bons" norte-americanos para o deflagrar de uma guerra mundial, deram o braço a torcer e abandonaram a ideia de avançar rumo a Raqqa, apesar da flagrante injustiça. Depois há que acredite que na Síria há uma "guerra civil", mas bom, doenças do foro psicológico não são o tema deste artigo.

 

 

Ainda sobre Raqqa, de acordo com a própria organização terrorista US Army (e quem não acredita que vá consultar o site dessa organização terrorista em www.centcom.mil/), mais de 800 civis foram mortos pelos ilegais e criminosos bombardeamentos da NATO nessa cidade. Quase 200.000 civis fugiram da cidade devido a esses bombardeamentos e representam uma iminente catástrofe humanitária. Raqqa, uma cidade multi-étnica como todas as sírias, ainda que mais de 90% dos seus habitantes fossem árabes, hoje, é uma gigante pilha de escombros provocada por rambos norte-americanos, ingleses e franceses que, além de desrespeitarem a lei internacional com estes bombardeamentos, fazem-no de forma absolutamente bruta, sem objectivos estratégicos como minimizar o número de vítimas ou minimizar a quantidade de estragos. Não, pelo contrário, partem tudo, matam tudo o que se mexe e, consequentemente, quase todos os seus habitantes fugiram. Segundo os próprios EUA, esta cidade onde viviam meia-dúzia de curdos antes da guerra, será entregue às mãos das ilegais forças curdas armadas ilegalmente pelos EUA. O objectivo é simples e, apesar de escandaloso, ninguém o esconde. Os terroristas curdos das FDS-NATO pretendem fazer de Raqqa a sua capital, habitada exclusivamente por curdos. Parabéns Ocidente, criador e patrocinador de limpezas étnicas e perseguidor e diabolizador do multi-étnico e multi-religioso estado sírio! Parabéns! Assad e as forças sírias, por mais que organizem a reconquista do seu país em função da minimização do número de vítimas e quantidades de estragos, e por mais que o documentem, e por mais que façam acordos de paz que evitam a opção militar, são e serão para a propaganda ocidental os tais "carnificinas" que lançam "barris-bombas" por diversão sobre "criancinhas". EUA, França e Reino Unido, por mais que destruam em grande, de forma absurdamente desorganizada, partindo tudo e matando todos, de propósito, como no Laos e no Vietname nos anos 60, da forma mais bárbara possível, não são alvos de críticas dos humanistas-zombies ocidentais. Irra mais à dissonância cognitiva generalizada! 

 

21530879_0.jpg

(antes e depois dos ilegais ataques aéreos da NATO numa rua de Raqqa)

 

Portanto parabéns aos media/mídia ocidentais por não noticiarem a total destruição de Raqqa. Parabéns por não noticiarem o bem documentado uso de armas químicas (fósforo branco) pelos EUA e criminosos aliados sobre Raqqa. Ah, estão demasiados ocupados contando estórias da treta de ataques químicos de Assad que nunca aconteceram, não é? Que tamanha prostituição. 

 

É impressionante constatar que, apesar de mesmo os órgãos de propaganda humanitária ocidental (HRW, Amnistia Internacional) e a ONU se queixarem da barbárie cometida pelos EUA, Inglaterra e França em Raqqa, poucos media/mídia mainstream ousam reportar esta barbárie e nenhum se mostra claramente critico do comportamento criminoso e terrorista destes 3 países! Porque será? Renderá bem a prostituição? Pois claro que sim!

 

Estes artigos da Human Rights Watch já estão desactualizados e são muito brandos, pois claro, mas provam que até no Ocidente há quem denuncie estes crimes Ocidentais. Não há desculpa para o seu desconhecimento meus caros!

 

Voltando aos prostituídos media/mídia ocidentais, quero relembrar que foram estes mesmos media/mídia que chamaram à libertação de Aleppo (Dezembro 2016) de "destruição de Aleppo", "fim de Aleppo", "cemitério a céu-aberto" e outras enormidades do género, enquanto multiplicavam por 1000 o número real de ataques aéreos russos e sírios contra os "rebeldes" terroristas "moderados", os "rebeldes" terroristas "extremistas" e, sim militares da NATO que depois acabaram por ser capturados e detidos pelas forças sírias. Era a histeria total, o ocidente enlouquecia com a "barbárie de Assad" e a "chacina de Aleppo", ao ponto de um certo propagandista extremista fundamentalista português ter escrito isto:

 

Mas a culpa não é só dos vendidos e prostituídos propagandistas de serviço. A culpa de tão grande diferença de cobertura entre Aleppo e Raqqa é sobretudo da apatia da população consumidora cega de pseudo-informação, adormecida nas suas certezas de falácias de autoridade sobre que media/mídias são ou não credíveis. É por estar cerebralmente morta essa população zombie, que se pode com facilidade vender-lhe a destruição de Aleppo que não existiu em Dezembro de 2016, e em seguida a convencer a ignorar por completo a completa destruição de Raqqa que ocorre agora. Para todos esses zombies com pavor à lógica e adoradores de pós-modernismos infantis como a idiotice "neutral" politizada pró-rebeldes do Civil March For Aleppo, Assad é um papão mau, EUA/França/RU são países do bem. Dispensa-se portanto espírito critico, raciocínio lógico, análise sequencial, provas, história e tudo mais! "Assad is bad, we are good! Amen!"

 

Na segunda parte, mais importante, será analisada a criminosa "Operação Der-ez-zor" de EUA e companhia, que acorre agora mesmo.

 

Luís Garcia, Minyara, Líbano, 11.09.2017

 

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

"A guerra civil síria" dos ataques aéreos israelitas, por Luís Garcia

   

 

A guerra civil síria dos ataques aéreos israelit

 ( 35° 6'5.49"N , 36°22'58.18"E. Veja o alvo do ataque a diferentes  altitudes aqui e aqui)

 

Luís Garcia  POLITICA 

Tal como ontem, no dia 6 de Setembro de 2017, há 10 anos atrás portanto, Israel realizou de forma ilegal e criminosa ataques aéreos contra infra-estruturas de investigação científica em território sírio (Operação Pomar, em Der-Ez-Zor), em total impunidade, e sobre os quais os hiper-prostituídos media ocidentais não disseram nem escreveram absolutamente nada, nem hoje nem há 10 anos atrás, o que deveria ser, aos olhos da malta desatenta consumidora de conteúdos desses meios de comunicação, um comportamento muitíssimo suspeito. Quem se espuma freneticamente de não-jornalismo imbecil a cada roquete palestiniano que cai em solo israelita sem causar mortes nem feridos, não tem como não noticiar ataques aéreos de Israel a infra-estruturas de estados soberanos que causaram a destruição destas assim como o ferimento e a morte de civis. Se não falam do segundo tipo de situações, não tem grandes condições morais para falar do primeiro tipo, e perdem toda a credibilidade que pudessem ainda ter.

 

Este ataque de ontem ocorreu perto da cidade síria de Masyaf e é hoje notícia em meios de comunicação sírios, russos e iranianos, pois claro. Mais, nela trabalhavam peritos iranianos, o que leva à inclusão deste acto de terrorismo de estado israelita à lista de actos de terrorismo de estado israelita contra o Irão (como a morte de 5 cientistas nucleares iranianos em 2012 vítimas de atentados à bomba dos serviços secretos israelitas, ou como a sabotagem industrial através do vírus Stuxnet).

 

Quanto à legitimidade israelita para realizar este tipo de acções, resumidamente, resume-se a zero! Só o faz porque tem poder físico (posse ilegal de centenas de ogivas nucleares e poderosas forças armadas) e as costas protegidas pelo Big Brother (EUA). Pior, se o faz, com medo de um hipotético programa nuclear sírio, deveria aceitar com naturalidade ataques russos ou iranianos às suas infra-estruturas nucleares, não? Quem nos países lusófonos se atreve a negar a minha última pergunta? É que se alguém diz que "não", consequentemente, terá de admitir que vê nos cidadãos israelitas uma classe superior de seres-humanos (com direitos especiais) e, daí, terá de admitir ser racista-supremacista-pró-Israel ou coisa parecida! 

 

(o antes e o depois do atentado terrorista da Força Aérea de Israel em Der-ez-Zor, 06.09.2007)

 

Bem estaria a Síria se este fosse um caso isolado de terrorismo de estado israelita, mas não é. Só neste ano de 2017 foram dezenas as vezes que Israel realizou criminosos e ilegais ataques aéreos contra a Síria, quase sempre actos sincronizados com avanços terrestres de "rebeldes" terroristas e do Estado Islâmico contra as Forças Armadas da Síria. Só uma profunda ignorância dos factos leva a maioria esmagadora dos portugueses e ocidentais a acreditar na existência de uma "guerra civil" na Síria. Dada a imensa quantidade de factos verificáveis, de fácil acesso e de uso gratuito, não há desculpa. A TV mente, engana e diz o contrário? Culpa de quem a segue, culpa de quem não investiga e não procura, culpa de quem se deixa levar por sensacionalismo e manipulação emocional, culpa de quem não busca verificar a veracidade ou falsidade do que é dito na TV. Culpa portanto das massas, não da TV, como diria e bem :

Nunca antes houve tanta manipulação mediática como a que há hoje, mas também nunca antes houve tão grande e fácil acesso a todo o conhecimento como hoje há. Portanto, os responsáveis pela desinformação popular é o próprio povo e não os meios de comunicação" (Noam Chomsky)

 

Para os mais cépticos, fica uma aqui uma lista incompleta de ilegais e criminosos ataques aéreos israelitas contra a Síria em 2017, quase todos na forma de ataques aéreos ou de apoio aéreo a avanços do ISIS e de "rebeldes" terroristas contra as forças regulares sírias. As hiperligações são para mapas da Síria do respectivo dia para que o leitor possa perceber as implicações estratégicas dos ataques aéreos e outros tipos de ataque:

 

 

Agora mais umas perguntas para aqueles que ainda acreditam na treta de "guerra civil síria": 

  • Como explicam ontem a força aérea israelita, de forma ilegal e criminosa, tenha entrado em espaço aéreo libanês e, daí, tenha utilizado vários caças de guerra na execução de vários ataques com mísseis a um complexo científico do estado soberano sírio numa zona há muito controlada pelo governo sírio e onde não há nenhum problema de violência?
  • Por que razão não se indignam com a violação da soberania de outros estados por parte de Israel, sempre com total impunidade? Será pela flagrante ignorância resultante da má-vontade de se informar e/ou da tremenda propaganda/censura televisiva?
  • E se fosse ao contrário, se a força aérea síria atacasse um complexo científico israelita com mísseis, também assobiariam para o lado?
  • Qual é a vossa opinião sobre o Direito Internacional?
  • Porque defendem que Assad não tem o direito de realizar ataques aéreos no seu próprio país em guerra, e não dizem nada contra os ataques aéreos de Israel (e dos EUA, e da França, e do Reino Unido, e da Turquia, etc)?
  • Porque fizeram a choradeira histérica que fizeram em resposta aos ataques aéreos russo-sírios no fim de 2016 aquando da libertação de Aleppo, e agora nada dizem dos 4 meses de intensos ataques aéreos da NATO em Raqqa, em total violação do Direito Internacional e da soberania Síria?

 

Enfim, e voltando ao sionista atentado terrorista de ontem, Israel DESTRÓI a Síria e MATA sírios quando bem lhe apetece, e a ovelhada ocidental aceita tudo, engole tudo, enfia tudo pelo recto sem pestanejar! E depois regurgita sem cessar o seu aparvalhado mantra "Assad é um genocida". E os media calam e censuram, para variar -  RTP e companhia criminosa de manipulação e de mentira não dizem nada, absolutamente nada.

 

Como também não disseram nada sobre a chegada das Forças Armadas Sírias a Der-ez-Zor e respectivo fim do cerco imposto pelo ISIS à cidade que durava há 3 anos. Daí que os enormes festejos em Der-ez-Zor não sejam notícia, pois claro que não! 

 

(festejos nas ruas aos primeiros sinais de chegada das tropas sírias a Der-ez-Zor)

 

(chegada das tropas sírias a Der-ez-Zor)

 

Como também não informaram que chegaram 40 camiões sírios de ajuda humanitária a Der-ez-Zor destinados às mais de 100.000 pessoais cercadas ali pelo ISIS há cerca de 3 anos. Ah, demoníaco Assad que envia comida, água e medicamentos para Der-Ez-Zor recentemente libertada, que bárbaro!

 

Como não falam dos 200 ataques aéreos e 1200 ataques de artilharia ilegais e criminosos de EUA e NATO sobre a cidade de Raqqa, completamente destruída pela força bruta e ilegal do ocidente. Como não falam dos mais de 1000 civis mortos e 200.000 civis que fugiram da cidade devido a esses ilegais e criminosos bombardeamentos!.E não sou eu que o diz, os ataques aéreos e de artilharia são indicados pelo site oficial das forças armadas terroristas dos EUA (www.centcom.mil/) e os números de deslocados e mortos em consequência do terrorismo de estado dos EUA são avançados pela ONU!

 

(destruição ilegal e brutamente desnecessária de Raqqa pelos EUA, França e companhia)

 

Como não disseram sobre os festejos populares na Síria em reacção à qualificação da sua selecção de futebol para o play-off asiático de acesso ao campeonato do mundo a realizar na Rússia em 2018? Sim, na Rússia, hehe.

 

 (festejos em Damascos após o empate 2-2 com o Irão)

 

 (festejos em Damascos após o empate 2-2 com o Irão)

 

Como nunca dizem absolutamente nada sobre acções ilegais e criminosas de países europeus da NATO na Síria, como por exemplo, os inúmeros ataques aéreos franceses realizados todos os meses nesse país. Lei internacional e soberania de estados são conceitos da treta para entreter estados pequenos e/ou fracos. Estados grandes ou poderosos podem passar literlamente por cima dos restantes em total silêncio e impunidade! E com um esmagador apoio de zombies-cidadãos de estados precisamente pequenos, como Portugal! Méééé´!

 

Luís Garcia, Minyara, Líbano,  07.09.2017

 

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Afinal sempre vai haver Exército de Libertação Sírio, por Luís Garcia

   

 

Afinal sempre vai haver Exército de Libertação

 

Luís Garcia  POLITICA 

Depois de há dias vários grupos "rebeldes" terroristas "moderados" aparentemente "sírios" terem afirmado querer unificar-se e criar um verdadeiro Exército Sírio de Libertação (ELS, ou FSA na sigla em inglês), hoje, por fim, e através dos órgãos de comunicação dos respectivos grupos, ficámos a saber de forma oficial que sim, vão criar um Exército Sírio de Libertação. Que interessante! Eu que, farto de ouvir e ler acusações de embecilidade e paranóia da minha parte por teimar em afirmar que não existe nenhum Exército de Libertação Sírio, começava (treta) a questionar-me sobre a minha sanidade mental, e não é que agora os próprios membros do suposto Exército de Libertação Sírio vêm me dar razão dizendo que este não existe e que, precisamente, irá ser criado em breve. Ahhhh, que risada!

 

O que sempre houve foram muitas organizações ilegais, armadas oficial e ilegalmente por países como a França, o Reino Unido ou os EUA e que cometem crimes como atirar funcionários públicos do cimo de prédios, decapitação de menores e por aí fora, porque quem se interessa por saber, já estará por certo a par de todas essas barbaridades.

 

 (funcionários públicos sírios lançados do cimo de um prédio por membros do ELS, 11.08.2012, Aleppo) 

 

(decapitação de Omran Daqneesh, uma criança palestiniana de 12 anos pelo grupo Nour al-Din al-Zenki Movement, sub-grupo da al-Qaeda e aliada de vários dos grupos que "agora se unirão" em forma de exército rebelde sírio, como por exemplo o Ahrar al-Sham ou o Jaysh al-Islam)

 

2017-09-06_13-39-23.png

(à esquerda, membros do grupo terrorista Nour al-Din al-Zenki momentos antes de decapitar a criança palestiniana; à direita, os mesmos, agora participando numa manifestação do ELS)

 

 

E depois, se não tiver, consulte a Wikipédia (apesar de altamente parcial e duvidosa em política internacional), e encontre relatos desses crimes. Desses crimes e não só. A própria Wikipédia não esconde as filiações de vários desses grupos "rebeldes" terroristas com organizações reconhecidas como "terroristas" pela mesma França, o mesmo Reino Unido e os mesmos EUA que de forma oficial (mas ilegal, de acordo com a lei internacional) financiam e armam os primeiros. O exemplo mais flagrante é o da al-Qaeda (ou al-Nusra, ou Jabhat Fateh al-Sham, ou Tahrir al-Sham como agora lhe chamam nesse constante esforço mediático de baralhar para desinformar), aliada de vários desses grupos como o Ahrar al-Sham ou o Jaysh al-Islam patrocinados pelo ocidente, embora a al-Qaeda continue a ser sinónimo de demónio na terra para a plebe ocidental e que, quando realiza ataques terroristas na Europa, não são, como é óbvio, bem vistos por essas bandas. Enfim, profunda ignorância de uma sociedade ocidental enferma de uma profunda dissonância cognitiva.  

 

De tal forma enferma anda esta sociedade europeia que, após quase um mês no norte do Líbano trabalhando numa escola para refugiados sírios, é por demais óbvio que todo o trabalho pseudo-humanitário financiado e organizado pela União Europeia e por inúmeras organizações de voluntariado europeias são, sem margem para dúvida, uma grandessíssima javardice de ingerência, propaganda do caos e apologia de terrorismo. Não, não alucino, e daqui a uns tempos material infinitamente escandaloso e bombástico irá começar a ser publicado aqui no Pensamentos Nómadas sobre este tema. Por agora digo apenas que sim, está infinitamente enferma a nossa sociedade europeia que, ao mesmo tempo que vem para aqui com quiméricas propostas de pazes podres sem pés nem cabeça, apoia também, de forma explicita, organizações directa ou indirectamente relacionadas com os grupos terroristas do tal Exército de Libertação Sírio (ELS) e, consequentemente, relacionadas com a al-Qaeda na Síria. Pior, formatam as mentes dos refugiados que, apesar de se encontrarem a 5-10km da fronteira sírio-libanesa, não fazem a mínima ideia do que se passa no seu país (fim do cerco a Der-ez-Zor ontem, por exemplo), e que, por pressão do humanitarismo de rapina europeu, não querem voltar para a Síria. Tudo isto porque humanitarismo de rapina é um negócio de milhões e esses milhões só giram se o caos e a desordem humana permanecer. O lucro impera! Prometo que, assim que estiverem recolhidas e organizadas todas as provas, começarei a publicá-las aqui, e então poderão constatar, por exemplo, que o director (sírio) da escola onde me encontro, é um podre maquiavélico peão da propaganda anti-Síria da União Europeia, sim, directamente da União Europeia, assim como um apoiante indiscutível do ELS (aliado da al-Qaeda na Síria) e um propagandista de escandalosas mentiras anti-Assad, e até um mafioso que negoceia o preço em dólares de crianças sírias. Enfim, há que esperar. 

 

Voltando ao ELS, é oficial a vontade de quererem por fim existir, mas esta estória não faz sentido nenhum. Após meses de paz, desde os acordos obtidos nas Cimeiras de Astana entre a Turquia, o Irão e a Rússia (cimeiras essas cuja existência foi por completo censurada pelos média/mídia ocidentais), o que se passa neste momento na Síria é precisamente o contrário da criação de um exército de "rebeldes". O que se passa é que povoação após povoação de "rebeldes" tem se entregue de forma pacífica às forças legais e largado as armas. Isto enquanto as Forças armadas da Síria e aliados recuperaram dezenas de milhares de quilómetros quadrados contra o ISIS num movimento imparável de retoma do controlo do seu território. Portanto, esta proclamação de um ELS unificado é para consumo externo da propaganda ocidental estupidificante. 

 

Aos mais cépticos, que poderão achar que a lista dos membros do novo ELS que aparece como capa deste artigo possa ser invenção minha, convido-os a consultar a conta twitter da agência de informação do ELS (FSA em inglês), a FSA News, ou os sites oficiais das organizações terroristas que fazem parte do ELS, como o ahraralsham.net ou o jaishalislam.com. E já pensaram como é possível que organizações reconhecidamente terroristas como estas duas consigam ter os seus sites alojados nalgum servidor sem quaisquer problemas, hein?

 

Partilhem por favor este e outros artigos de suma importância! Obrigado!

 

Luís Garcia, Minyara, Líbano,  06.09.2017

 

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Os curdos, arma de desestabilização massiva de Washington no Médio Oriente, por Sarah Abed

 

 

 Parte 1/3

Curdos, arma de desestabilização massiva de Wash

 

Sarah Abed  POLITICA  SOCIEDADE  

 

Os feitos históricos dos curdos têm sido desde há muito tempo motivo de mistério e perplexidade, e raramente eram tema de discussão nos principais meios de comunicação ocidentais até muito recentemente. Desde a invasão do Iraque pelos EUA ao conflito em curso na Síria, os curdos tem sido romantizados pelos mainstream media e por políticos norte-americanos no intuito de justificar uma narrativa intervencionista ocidental nesses países. Desde que os EUA invadiram a Síria, os EUA e Israel tem apoiado um Curdistão [iraquiano]* semi-autónomo, com Israel comprando 3,84 mil milhões de dólares em petróleo, uma jogada que poderá ter tido ramificações geopolíticas e económicas para ambas as partes.

 

Em 2015, o the Financial Times informava que Israel havia importado até 77% das reservas de petróleo do Curdistão [iraquiano]* nos meses anteriores, adquirindo cerca de 19 milhões de barris de petróleo entre o início de Maio e o dia 11 de Agosto. Durante esse período, mais de um terço de todas as exportações norte-iraquianas, embarcadas no porto turco de Ceyhan, foram para Israel, transacções essas que quase atingiram o valor de mil milhões de dólares segundo o relatório que cita "dados de embarque, fontes comerciais e rastreadores de petroleiros por satélite".

 

Estas vendas são um sinal claro da assertividade do Curdistão iraquiano e da consequente erosão dos laços entre Arbil e Bagdade que desde há muito receia que o objectivo último dos curdos seja a independência total.

 

Em 1966, o ministro da defesa iraquiano Abd al-Aziz al-Uqayli acusava os curdos do Iraque de quererem estabelecer um “segundo Israel” no Médio-Oriente. Este declarou também que "o Ocidente e o Oriente estão dando apoio a rebeldes para que criem [khalq] um novo Estado de Israel no norte do seu território tal como haviam feito em 1948 aquando da criação de Israel". Surpreendentemente, a história repete-se na relação actual [entre curdos do Iraque e restantes iraquianos]* — cuja existência só se menciona de passagem, por ambas as partes, devido ao medo de represálias.

 

Durante uma grande parte do conflito na Síria, várias milícias curdas passaram a constar na lista dos mais chegados aliados da coligação liderada pelos EUA naquele país, recebendo quantidades massivas de armas e carregamentos de armas pesadas, assim como treino militar por parte dos membros da coligação. Milícias curdas dominam também as Forças Democráticas Sírias (FDS), organização apoiada pelos EUA que é sobretudo conhecida por liderar a ofensiva contra a fortaleza do ISIS em Raqqa, em colaboração com a coligação [ocidental]*. As armas que os EUA têm fornecido aos combatentes curdos e árabes da coligação anti-ISIS incluem artilharia pesada, morteiros, armas anti-tanques, veículos blindados e equipamento de engenharia.

 

Veja como a Casa Branca confirma a decisão de Trump de armar os curdos sírios:

 

Em Maio, o presidente dos EUA Donald Trump aprovou a decisão de armar milícias curdas na Síria com armamento pesado, incluindo morteiros e metralhadoras. Um mês após a aprovação, 348 camiões com assistência militar foram entregues ao grupo, informa a Anadolu [agência de informação turca]*. De acordo com os dados desta agência de notícias, a lista do Pentágono de armas a fornecer aos grupos inclue 12.000 Kalashnikov, 6.000 metralhadoras, 3.000 lança-granadas e cerca de 1000 armas anti-tanque de origem russa ou norte-americana.   

Artigo relacionado: Extermínio nuclear, sim por favor! - parte 4

Segundo a Sputnik News, os carregamentos incluem 130 camiões, 60 entregues no dia 5 de Junho e outros 20 no dia 20 de Junho.

 

No dia 17 de Junho, a Sputnik News informou que os EUA ainda fornecem o Partido de União Democrática (PYD) na Síria com munições para combater o ISIS, entregando 50 camiões num só dia de acordo com informações de media turcos. Horas antes estes camiões chegavam à cidade de al-Hasakah no noroeste da Síria.

 

Tanto os laços históricos como os actuais que unem curdos e israelitas têm trazido benefícios para ambas partes. No passado, Israel obteve serviços de intelligentsia e apoio para milhares de judeus em fuga do Iraque Ba'ahtista [referência ao partido no poder durante a presidência de Saddam Hussein]*. Os curdos receberam segurança e ajuda humanitária, assim como ligações ao mundo exterior, especialmente com os EUA. O primeiro reconhecimento oficial de que Jerusalém havia proporcionado ajuda aos curdos data do dia 29 de Setembro de 1980, quando o então primeiro-ministro Menahem Begin fez saber que Israel havia dado apoio aos curdos “durante a sua insurreição contra os iraquianos, de 1965 a 1975” e que os EUA havia estado ao corrente da situação. Begin acrescentou que Israel havia enviado instrutores e armas, mas não unidades militares.

 

Ethnic Kurdish Israelis protest outside the Turkish embassy in Tel Aviv, Israel, July 8, 2010.

Israelitas de etnia curda protestam em frente à embaixada turca em Tel Aviv no dia 8 de julio 2010

 

Os curdos são o maior grupo nómada do mundo que permanece sem estado até hoje. Este facto tem permitido aos poderes ocidentais utilizar esta "característica" curda como ferramenta para dividir, desestabilizar e conquistar o Iraque e a Síria, nos quais os seus interesses coloniais por petróleo e gás são muito significantes

 

A coligação de criminosos de guerra liderada pelos EUA está usando elementos da população curda da Síria de forma a alcançar o seu objectivo de destruir o estado democrático não-beligerante sírio, dirigido pelo popular e democraticamente eleito Bachar al-Assad. Washington busca criar divisões sectárias e étnicas num país que, antes da guerra criada pelo Ocidente, não as tinha.

 

Por outro lado, os peritos no tema dos curdos recusam tal caracterização, visto que não encaixa de todo no relato que fazem dos acontecimentos históricos, relato propõe ter existido um estado curdo algures no passado. As suas estimativas para o número de curdos é de 30 milhões, em sintonia com a maior parte das fontes demográficas. Estes peritos recusam ainda a ideia de que os curdos sejam usados como peões.

 

Em resposta à questão sobre onde a administração autónoma "delinearia uma linha" limite ao apoio recebido dos EUA e de outras super-potências, o co-líder do Partido de União Democrática sírio (PYD), Salih Muslim Muhammad, afirmou que "a nossa garantia é a nossa mentalidade, a qual depende do quão educamos e organizamos o nosso povo. Se defendermos os nossos princípios morais e a nossa ideologia, os grandes poderes não conseguirão usar-nos como seus peões."  

 

Talvez nenhum outro grupo tenha sido tão romantizado na consciência ocidental como os curdos. Consistentemente retratados como "combatentes pela liberdade" lutando eternamente por uma terra que lhes foi negada, os curdos tem sido, ao longo da história, frequentemente utilizados por outros países e impérios como setas, mas nunca como arcos.

 

No actual conflicto, os curdos têm sido utilizados pela NATO e por Israel no cumprimento do objetivo neo-colonialista de balcanizar grandes países como o Iraque em países mais pequenos de forma a garantirem a realização das suas metas geopolíticas. Quando países são divididos em vários outros pequenos, estes são presas mais fáceis para as organizações estrangeiras. E é este o padrão de comportamento adoptado poderosos estados imperiais no intuito de colonizar países de menor dimensão e menos influentes. Os curdos têm sido ao longo da história utilizados como peões na estratégia de "dividir para reinar" e continuam ainda hoje a deixarem-se manipular dessa forma pelas potências coloniais.

 

Oportunistas de extrema-esquerda ou verdadeiros revolucionários?

Num artigo escrito em 2007, o analista de notícias da NPR, Daniel Schorr, afirmava que os curdos do Iraque têm uma longa história no papel de peões de potências regiões e suas lutas. Neste momento, os curdos encontram-se no meio de uma competição entre os EUA e o Irão pelo domínio do Médio Oriente. 

 

Em 1973, o então presidente Richard Nixon seu secretário de estado Henry Kissinger ordenaram a CIA a instigar um um rebelião no norte do Iraque contra Saddam Hussein. Os EUA, por fim, retiraram-se desta rebelião quando Saddam Hussein e o Xá do Irão sanaram a discórdia que havia entre os dois, abandonando os curdos à sua sorte. Surpreendentemente, os curdos parecem sofrer de amnésia e optam por cooperar uma vez mais com Washington, quem repetidamente se aproveitou daqueles para proveito próprio.

 

Durante a Guerra do Golfo de 1990, durante a qual o Iraque ocupou o Kuwait, o então presidente George H. W. Bush apelou aos curdos, assim como aos xiitas do sul do país, a rebelarem-se contra Saddam Hussein.

 

A Kurd kisses a picture of United States President George W. Bush during celebrations in the streets of Sulaymaniyah, northern Iraq Wednesday April 9, 2003. (AP/Kevin Frayer)

Um curdo beija o retrato de George W. Bush, ex-presidente dos EUA, durante os festejos ocorridos nas ruas de 

Sulaymaniyah (no norte do Iraque) no dia 9 de Abril de 2003 (AP/Kevin Frayer)

 

Victoriosas nesta guerra, as Forças Armadas dos EUA permitiram a Saddam Hussein que conservasse os seus helicópteros de combate, os quais havia utilizado contra centenas de participantes das rebeliões curda e xiita. Inevitavelmente, a opinião pública norte-americana acabou por forçar o governo do seu país a estabelecer duas zonas de exclusão aérea, uma norte e outra a sul, de forma a proteger os dois grupos. 

 

A lealdade curda para com os EUA custou-lhes caro, e foi portanto com um certo grau de narcisismo que o governo de Bush propôs-se a indicar aos alegadamente autónomos curdos que tipo de relações poderiam vir a ter com quais países da região, incluindo o Irão, rival dos EUA. Uma vez mais os curdos descobriam-se a si próprios no meio de uma disputa entre Irão e EUA pelo domínio do Médio Oriente.

 

Andrew Exum, um ex-alto-funcionário do Pentágono para a política do Médio Oriente, e que serviço no exército do seu país, disse um dia “…esta decisão — armar um grupo intimamente ligado a uma organização terrorista estrangeira que se bateu durante uma década numa guerra de insurgência contra o estado turco — provavelmente virá a ter repercussões nas relações entre os EUA e a Turquia durante as próximas décadas”. Desde há muito que o governo turco insiste que as milícias curdas se encontram estreitamente vinculadas ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão, um organização separatista mais conhecida pelas iniciais PKK. Este grupo consta da lista de organizações terroristas da Turquia, EUA e Europa.

 

Uma estimativa aproximada do CIA Factbook indica que haverão 14,5 milhões de curdos na Turquia, 6 milhões no Irão, entre 5 a 6 milhões no Iraque e menos de 2 milhões na Síria, o que no total dá cerca de 28 milhões de curdos vivendo na região que denominam "Curdistão" e em regiões adjacentes. 

 

No entanto, outras fontes indicam que já só haverão 1,2 milhões de curdos na Síria, devido à cuidadosamente calculada e planeada guerra imposta pela NATO e os estados árabes do Golfo àquele país. Aproximadamente o mesmo número emigrou para a Alemanha nos últimos 6 anos.

 

É importante fazer a distinção entre curdos que se integraram nos países nos quais residem e que rejeitam a ideia de estabelecer um ilegal Curdistão, e os curdos sedentos de poder que se permitem a si próprios aliarem-se com o Ocidente e com Israel na desestabilização da região. Parte das populações curdas, sobretudo aqueles que residem em áreas não controladas por curdos, como por exemplo Damascos, são leais ao governo sírio e garantem ter votado em Assad em 2014.

 

Estas eleições livres e democráticas resultaram na vitória de Assad contra os outros 2 candidatos, e que arrecadou 88,7% dos votos populares. No início da guerra na Síria, havia curdos combatendo pelas Forças Armadas da Síria, que recebiam armamento e salários tal como os seus outros parceiros sírios. Ainda hoje resta um pequeno número deles nas Forças Armadas da Síria, no sul do país.

 

Em contra-partida, no nordeste da Síria, muitos desertaram e uniram-se às FDS lideradas pelos EUA, onde armamento, salários e treino são também fornecidos pelos EUA. Os sírios consideram que os curdos que permaneceram fiéis à Síria são seus concidadãos, seus irmãos e irmãs, e a traição curda descrita neste artigo não se aplica a esses e essas.

 

The loosely-knit coalition of Syrian rebel groups known as the Syrian Democratic Forces (SDF), are armed, trained and backed by the U.S. The group is currently engaged in the early stages of battle in the ISIS stronghold of Raqqa, Syria.

A froucha coligação de grupos rebeldes sirios contendo facções curdas e conhecida pelo nome de Forças Democrátics Sírias (SDF) é armada, treinada e apoiada pelos EUA

Artigo relacionado: Terrorismo-colonização da Síria, por Luís Garcia 

Independência e desunião

Um aspecto importante a ter em mente é o de que o termo étnico "curdo" se refere a falantes de várias línguas relacionadas entre sim mas ainda assim distintas. As duas mais importantes são o Sorani no Iraque e no Irão, e o Kumanji na Síria, na Turquia e noutras pequenas zonas junto às fronteiras com o Iraque e o Irão. Por norma, o Sorani é escrito em alfabeto árabe, enquanto que o Kurmanji usa o alfabeto latim, prova do quão diferentes entre si podem ser estas línguas.

 

O iraquiano Governo Regional do Curdistão (KRG) é composto sobretudo por curdos que falam Sorani, enquanto que o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), o PYD e outros grupos nacionalistas presentes na Síria e na Turquia representam curdos que falam Kurmanji- Esta divisão natural, como seria de esperar, reflecte-se no mapa de divergências políticas, mas não de uma forma simplista, como a delineação concreta de fronteiras entre territórios controlados pelo KRG, PYD ou PKK

 

Por outro lado, a Turquia não contesta as aspirações dos falantes de Sorani da mesma forma que faz com os falantes de Kurmanji. Encorajar a autonomia de curdos iraquianos não leva aos mesmos problemas (para a aliança turco-americana) que o encorajamento ao nacionalismo curdo na Turquia e na Síria necessariamente leva.

 

A busca pela independência é intrínseca à identidade curda. No entanto, nem todos os curdos anseiam por um Curdistão unindo as regiões curdas de quatro nações soberanas. A maior parte dos movimentos e partidos políticos focam-se em questões relativas à autonomia de curdos dentro do seu respectivo país. Dentro de cada um desses países vivem curdos completamente integrados e que apenas anseiam por uma maior liberdade cultural e por reconhecimento político.

 

Kurd

Curdos iraquianos com uma bandeira gigante do Curdistão celebrando o Nawruz (o Ano Novo) em Dahuk, 430 quilómetros a noroeste de Bagdade, Iraque. As celebrações do Nawruz remontam à época do Zoroastrianismo e marcam o início da primavera e dos festejos de Ano Novo para os curdos do mundo inteiro. (AP Photo)

 

Por todo o Médio Oriente, os curdos têm vigorosamente perseguido as suas metas através de múltiplos grupos. Enquanto alguns fundaram organizações e partidos políticos legítimos, investindo esforços na promoção dos direitos e liberdades dos curdos, outros levaram a cabo conflitos armados. Alguns deles, como o PKK turco, utilizaram tácticas de guerrilha e atentados terroristas contra civis, inclusive contra os seus concidadãos curdos.

 

O amplo conjunto de partidos políticos e grupos curdos reflecte bem a divisão interna entre curdos, divisão essa que com frequência é delineada por divergências tribais, linguísticas e nacionais, assim como por rivalidades e desacordos políticos. As tensões entre os principais partidos curdos iraquianos, o Partido Democrático do Curdistão (KDP) e a União Patriótica do Curdistão (PUK), escalaram inclusive, em meados dos anos 90, para uma guerra civil que resultou na morte de mais de 2000 curdos.

 

A desunião política prolonga-se também além-fronteiras, com partidos e organizações curdas criando ramificações e forjando alianças em países vizinhos. Na actualidade, os desacordos políticos em relação às expectativas de autonomia na Síria e as relações políticas entre os curdos iraquianos e o governo turco, têm gerado tensões que conduzem ao confronto entre KDP iraquiano e a sua organização-irmã (KDP-S) de um lado, e o PKK e a sua filial síria (PYD) do outro. Ainda assim, grupos curdos adversários realizam por vezes trabalho de equipa, quando tal se apresenta conveniente. A ameaça representada pelo ISIS levou, por exemplo, à união de forças entre os Peshmergas afiliados ao KDP e as forças curdas sírias do PYD

 

 

Ocasionalmente, determinados grupos curdos levam a cabo negociações não só com os governos dos seus países como também com os de países vizinhos - nalguns dos casos em detrimento das relações com os seus irmãos curdos. As complexas relações entre os vários grupos curdos, e entre curdos e os governos da região tem variado ao longo do tempo, formando-se e desfazendo-se alianças em função das mudanças das condições políticas. Os peritos no tema apontam a desunião entre curdos como a principal razão para explicar a incapacidade curda de formar um estado próprio.

 

As ilegais e injustificadas reivindicações de autonomia dos curdos

O Ocidente defende que os vários grupos curdos estão por entre as forças com maiores níveis morais e de dignidade no conjunto daquelas que combatem o ISIS. No entanto, se o seu objectivo é, como afirmam, o de derrotar o ISIS, por que razão cometem genocídios contra sírios durante esse processo? Tendo em conta este ponto, torna-se difícil justificar a posição do Ocidente que de forma recorrente afirma que os grupos armados curdos ajudam de facto a Síria. A realidade no terreno contradiz os ocos elogios que o Ocidente profere no intuito de branquear o apoio que oferece a essas organizações terroristas. Pior, esta falsa narrativa tem sido usada como pretexto para armar grupos curdos na Síria, de forma a criar instabilidade e divisão.

 

U.S.-backed, Kurdish-led Syria Democratic Forces raise their flag in the center of the town of Manbij after driving ISIS out of the area, in Aleppo province, Syria. (ANHA via AP)

Forças Democráticas Sírias, apoiadas pelos EUA e lideradas por curdos, içando a sua bandeira no centro da cidade de Manbij após confrontos com o ISIS na província de Aleppo, S+iria (ANHA via AP)

 

É de estranhar este antagonismo curdo para com os Sírios, visto que a Síria os tem acolhido de braços abertos ao longo do tempo. Por exemplo, em 2012 foram feitas reformas [políticas]* em benefício dos curdos. De acordo com a agência [síria]* de notícias, SANA, "O presidente Assad emitiu um decreto outorgando a cidadania síria aos estrangeiros registados na (província de Hassake)". Esta medida, que beneficiou cerca de 300.000 curdos, foi tomada uma semana depois de Assad ter encarregue um comité de "resolver o problema do censo de 1962 na província de Hassake".

 

Em Janeiro de 2515, a agência SANA informava que o então primeiro-ministro sírio Dr. Wael al-Halqi havia dito que "os curdos são um componente profundamente enraizado da sociedade síria e Ayn al-Arab [também conhecida por Kobani]* é uma parte da Síria muito querida a todos os sírios." Esta afirmação de al-Halqi foi proferida aquando de um encontro com uma delegação de personalidades curdas. Al-Halqi exortou também ao descartar da violência e à promoção de um convívio salutar, reiterando que uma solução para a crise síria poderia ser alcançada "através do diálogo nacional e de reconciliações nacionais consolidantes", defendendo que o diálogo estará definitivamente "nas mãos do país e não em mãos estrangeiras".

 

Em 2014, a Associação Democrática Civil de Curdos Sírios defendia que a firmeza do povo de Ayn al-Arab face ao terrorismo comprovava o compromisso destes na defesa da sua afiliação à pátria síria. O Conselho Superior de Secretarias da associação afirmava ainda que a firmeza [curda]* em Ayn al-Arab era digna de admiração e que as tentativas de transgressão contra a integridade territorial síria faziam parte de um conspiração destinada a criar o caos e a divisão, e a destruirr o eixo de resistência.

 

Estes são apenas alguns exemplos das tentativas do governo sírio para unir todos aqueles que coabitam dentro das fronteiras do país. Ainda assim, e perante estas actos de boa fé vindos do governo, as FDS escolheram unir-se aos inimigos sírios, em vez de lutar do lado do Exército Sírio.

 

Um acordo recente, iniciado e negociado pelos EUA entre uma facção do Exército Livre da Síria (ELS) e as FDS curdas, estabeleceu as condições que permitiriam a essa facção do ELS (a Brigada al-Muatasim) tomar, de forma pacífica, o controlo de 11 povoações do norte da Síria até então nas mãos das SDF. As linhas gerais deste acordo sem precedentes foram anunciadas no dia 10 de Maio, e indicam que a coligação liderada pelos EUA terá delegado à Brigada al-Muatasim o controlo e administração das referidas povoações. 

 

 

 

A Brigada al-Muatasim é conhecida por se uma forte aliada dos EUA, razão pela qual foi escolhido como responsável pelas povoações em questão. Este facto reforça ainda mais a ideia de que os EUA, as FDS e o ELS continuam a colaborar entre si. Esta cooperação é parte do esforço levado a cabo para sabotar os progressos realizados pelas Forças Armadas da Síria e seus aliados.

 

Na segunda parte da sua análise ao papel curdo de apoio aos EUA e Israel no seu projecto de desestabilização do Médio Oriente, Sarah Abed explora em maior detalhe as ligações curdas com Israel e outros países, assim como as ligações curdas com o ISIS

 

* - notas do tradutor 

Sarah Abed

traduzido para o português por Luís Garcia

versão original em inglês: The Kurds: Washington’s Weapon Of Mass Destabilization In The Middle East

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas

Nuno Rogeiro e a evolução do conflito sírio nos últimos 4 meses, por Luís garcia

   

4 months 2017.jpg

 

Luís Garcia  POLITICA 

Este mini artigo é dedicado ao suposto perito português em política externa, Nuno Rogeiro, quem há dias confrontei de forma cordial no facebook após um leitor deste blog me ter alertado para o facto de que, sim, esse Nuno Rogeiro que escreve livros e tal, afirmava que o "atentado de Barcelona era da autoria de Bashar al-Assad" e que "Bashar al-Assad havia criado o ISIS", hehe. Tive de intervir, com calma e serenidade, sem usar nenhuma palavra ofensiva mas chamando as coisas pelos nomes. Dada a sua incapacidade de se defender perante factos contra os quais o encostei, 15 minutos depois, enquanto lhe escrevia uma mensagem mais complexa e mais elaborada, o senhor Nuno Rogeiro bloqueou-me, que pena.

 

Se o senhor Nuno Rogeiro vier a ler estas linhas, fica já aqui o convite para escrever o que quiser quando quiser em forma de comentário, com a garantia de que nunca será censurada aqui uma única palavra sua. E mais, fica convidado também a escrever os artigos que quiser, quando quiser, defendo o que quiser, aqui no Pensamentos Nómadas, sem que nem uma vírgula seja alterada. Porque ao contrário do senhor Nuno Rogeiro, eu, Luís Garcia, não receio confrontos de argumentação, não receio que me apresentem factos, não gosto nem realizo censura e, pelo contrário, defendo que nada seja censurado, inclusive as mentiras da propaganda ocidental anti-Síria ou, neste caso, do post de Nuno Rogeiro há dias na sua conta facebook. Nada deve ser eliminado nem censurado para que, precisamente, quem com argumentos válidos e factos comprovados, possa desmontar propaganda e, consequentemente, descredibilizar de forma civilizada quem mente e quem engana.

 

Voltando ao assunto principal, a evolução do conflito sírio nos últimos 4 meses, e ao contrário dos muitíssimo extensos artigos que costumo publicar por aqui, hoje apresento-lhe apenas 5 mapas de 5 datas diferentes e convido-o a si, leitor, a formular as suas próprias conclusões

 

01.05.2017

01.05.2017.png

 

01.06.2017

01.06.2017.png

 

01.07.2017

01.07.2017.png

 

01.08.2017

01.08.2017.png

 

01.09.2017

01.09.2017.png

Legenda:

0 - Forças Armadas sírias

0 - ocupação israelita

0 - Ocupação turca

0 - grupos dos ELS/al-Qaeda

0 - Ocupação EUA/NATO + fantoches curdos

0 - ISIS 

 

 

Tal como afirmei na montagem original, em inglês, que serve de capa a este artigo, os media ocidentais, os governos ocidentais e ferramentas de propaganda como o Civil March For Aleppo insistem em acreditar e em repetir enormidades do género:

- Os russos presentes na Síria mais não fazem que matar criancinhas;

- São os bravos curdos e os bravos mercenários da NATO ilegalmente presentes na Síria que combatem o ISIS.

- Bashar al-Assad criou o ISIS;

- Forças armadas sírias não combatem o ISIS;

- Etc.

 

Não farei nenhuma extensa análise aos mapas, como prometido, apenas o convido a analisar atentamente, não apenas estes cinco mapas mas sim dezenas, centenas, milhares deles, e que conclua por si só, baseando-se apenas nas alterações de posições e correspondentes implicações estratégicas, que não só são falsos mas sobretudo ridículos os disparates da lista acima (e outros semelhantes).

- Mapa do conflito sírio onde é possível aceder aos mapas por datas: syria.liveuamap.com 

 

Luís Garcia, Minyara, Líbano,  01.09.2017

 

 

 
Vá lá, siga-nos no Facebook! :)
visite-nos em: PensamentosNómadas